Petrobras paralisa obras de gasoduto no Rio de Janeiro devido à pandemia

A Petrobras informou em recentes notícias no dia 16 de abril deste ano que paralisou as obras do Projeto Gaslub Itaboraí por tempo indeterminado. As obras do ex-Comperj, relacionadas com a construção do gasoduto Rota 3 e com a UPGN (unidade de processamento de gás natural), estão com os cronogramas parados devido à pandemia de coronavírus no Brasil. A medida foi tomada com base em um ofício publicado pela Secretaria Municipal de Saúde de Itaboraí, Rio de Janeiro, no dia 23 de março deste ano.

Na época em que a medida foi emitida, a secretaria solicitava a interrupção de 70% das obras no local para que a curva de contágio do novo coronavírus fosse respeitada. “De forma imediata, não somente a estatal, mas todas as empresas que estão vinculadas à obra, passaram a atender esta solicitação. Desde então, somente um contingente de 30% estava operando nas obras do Gaslub”, explica uma nota divulgada pela Petrobras.

Diante de tal situação, a Petrobras disse que o cronograma do projeto será todo revisado e só será anunciado quando a pandemia tiver sido controlada no estado. O Projeto Integrado Rota 3 é uma solução de escoamento para o gás natural extraído do pré-sal. O empreendimento irá possuir uma UPGN (Unidade de Processamento de Gás Natural) de última geração com capacidade de processar cerca de 21 milhões de m³ a cada dia de trabalho.

Além da UPGN, a obra também irá oferecer ao estado um gasoduto com 355 km de extensão ao todo. Destes, 307 km são relativos a um trecho marítimo, que já possui 48 km do trecho terrestre concluído e está quase pronto para o escoamento do produto. Esse projeto terá capacidade de escoar o gás natural vindo do Polo Pré-Sal da Bacia de Santos até a UPGN.

A Petrobras é uma das empresas petrolíferas que sentiu os impactos da crise do petróleo vindo junto à pandemia de coronavírus. Além da paralisação das obras, a empresa teve que tomar medidas e fazer cortes de pessoal para lidar com a baixa demanda de petróleo no mercado externo e queda dos preços entre março e abril deste ano.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *