Dieta mediterrânea: pode ser mais benéfica do que você pensa

A dieta mediterrânea tem vários benefícios que vão desde ajudar você a perder peso até a viver mais para melhorar a saúde do seu cérebro. Agora, uma nova pesquisa analisou os efeitos dessa dieta em pessoas com problemas cardíacos e acabou descobrindo mais um benefício para acrescentar a essa lista.

O estudo observacional foi apresentado na conferência da Sociedade Europeia de Cardiologia no início de setembro de 2018. O trabalho mostrou que as pessoas que tiveram uma história de doença cardiovascular e ficaram mais próximas da dieta mediterrânea tiveram um risco 37% menor de morte em comparação com aquelas que não acompanhavam a dieta.

Uma dieta mediterrânea, para quem não sabe, é aquela que é baseada em vegetais e legumes, peixe, frutas, nozes e grãos integrais. A comida é cozida em azeite, em vez de manteiga ou outro tipo de óleo. Os carnívoros podem manter cortes de frango e carne magra em seu cardápio mediterrâneo. Carne vermelha, comida processada e açúcar estão fora do cardápio.

A dieta parece ser ainda melhor do que uma das opções mais prescritas para pessoas com problemas cardíacos: estatinas redutoras de colesterol. Em média, as estatinas reduzem o risco de problemas cardíacos em cerca de 24%, de acordo com estudos anteriores. Isso significa que a dieta parece ser um verdadeiro vencedor para ajudar na saúde do coração.

Muitos médicos gostam da dieta porque há muitas opções de menu e ainda admite um copo de vinho ou cerveja por dia, permitindo que as pessoas vivam com ela muito mais facilmente do que com outras dietas.

Estudos anteriores mostraram que as pessoas que seguem a dieta mediterrânea têm um menor risco de ataque cardíaco e derrame. A dieta também pode reduzir o risco de câncer, melhorar a saúde dos ossos e ajudá-lo a viver por mais tempo.

Com nova taxa em vigor, Correios arrecadará R$ 90 milhões por mês

Após as recentes notícias sobre a taxa de R$ 15,00 cobrada pelos Correios em encomendas internacionais, foi possível estimar quanto a estatal irá arrecadar diariamente. Com base na nova taxa cobrada, a estatal irá arrecadar entre R$ 1,5 milhão e R$ 4,5 milhões a cada dia de cobrança em encomendas internacionais. O aporte mensal arrecadado pela empresa com a cobrança da nova taxa irá atingir a casa dos R$ 90 milhões todos os meses.

De acordo com o presidente dos Correios, Carlos Roberto Fortner, esse valor arrecadado com a taxa de R$ 15,00 sobre encomendas internacionais, será para melhorar esse serviço e poderá melhorar a qualidade de outros serviços oferecidos pela estatal.

“Todo o valor arrecadado através do despacho postal internacional será destinado a custear todos os processos e a estrutura utilizada para o desembaraço alfandegário, um gasto que era incluído em outros serviços oferecidos pelos Correios”, diz Fortner.

A nova taxa de R$ 15,00 cobrada pelos Correios para encomendas internacionais, passou a vigorar no dia 27 de agosto de 2018. Um dos motivos para a inclusão desta taxa é que, o volume de encomendas recebidas pelos correios ao longo dos últimos anos teve um aumento significativo. A média de objetos recebidos do exterior pela estatal tende a variar entre 100 mil e 300 mil a cada dia. Isso levou a existência da taxa para que a empresa pudesse manter o padrão dos serviços prestados.

O presidente dos Correios também fala sobre a cobrança do despacho postal, uma prática que já acontece em outros países, com taxas de cobranças quatro vezes maiores em comparação coma à taxa cobrada pelos Correios.

“Quando o volume de encomendas é menor, os gastos acabam sendo diluídos pelo volume de outras operações. Já com a elevação da quantidade de encomendas importadas de outros países, tornou-se necessário revermos a questão dos gastos envolvidos neste tipo de serviço e permitir que cada cliente pague apenas o que tem que pagar. Ou seja, tivemos que nos adaptar para podermos continuar”, explicou Fortner.